Atendimento médico e odontológico para a categoria
Atendimento médico e odontológico para a categoria
São várias especialidades médicas como clínica médica, pediatria, cardiologia e nutrição Acesse a notícia acima e saiba mais
Não a Ricardo Rodríguez para o MEC
Não a Ricardo Rodríguez para o MEC
O manifesto é assinado pelos professores(as) e auxiliares de administração escolar
Fim do Ministério do Trabalho
Fim do Ministério do Trabalho
Essa decisão atende os patrões e enfraquece a classe trabalhadora
A importância de ser sindicalizado
A importância de ser sindicalizado
13º salário, férias...Essas e outras conquistas são frutos da organização dos trabalhadores e os seus sindicatos
Homologação das Rescisões Contratuais
Homologação das Rescisões Contratuais
O SAAEMG orienta as empresas, contabilidades e trabalhadores que as rescisões contratuais devem ser homologadas no sindicato.
Contribuição assistencial e mensalidade sindical
Contribuição assistencial e mensalidade sindical
Atenção, estabelecimentos particulares de ensino para o informe do sindicato
Aos funcionários das escolas de idiomas
Aos funcionários das escolas de idiomas
Leia abaixo o documento

    Notícias

    03/12/2018
    Escola Sem Partido é o Brasil prestes a vigiar professores, diz jornal francês
    por Sinpro-MG*

    Correspondente do jornal “La Croix” retrata clima de perseguição em escolas brasileiras ante da ação agressiva de pais e alunos, respaldadas por figuras do governo Bolsonaro

    O movimento Escola Sem Partido, que pretende censurar professores acusando-os de tentar doutrinar seus alunos ideologicamente,  estarrece até a imprensa conservadora francesa. Reportagem do jornal católico La Croix retrata a ofensiva, apoiada pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL) e pelo seu futuro ministro da Educação, que passou a tratar os professores como inimigos que precisam ser vigiados.

    “Vários episódios de censura e até mesmo de agressão por parte de alunos ou pais contra professores têm sido registrados no Brasil”, aponta o portal da RFI Brasil, sobre a matéria produzida pelo jornal francês, que também cita o caso da deputada estadual eleita em Santa Catarina pelo mesmo partido de Bolsonaro que chegou a criar um canal para que pais e alunos pudessem denunciar professores.

    A reportagem ouviu um professor de história do Rio de Janeiro que em seu depoimento conta como a paranoia estimulada retira da escola a autonomia para resolver pelo diálogo esse tipo de conflito e fere a liberdade de expressão dos educadores. Em meio à onda repressiva na educação, muitos professores têm sido humilhados em redes sociais e até mesmo demitidos, aponta a correspondente do jornal francês no Brasil Aglaé de Chalus.

    “Esse movimento se posiciona contra ‘os abusos da liberdade de ensino’ e propõe censurar matérias que tratem de gênero ou orientação sexual. Prevê também proibir os professores de falar sobre política ou religião em sala de aula”, explica o jornal francês, sobre o projeto que tramita atualmente em comissão especial na Câmara dos Deputados.

    O La Croix aponta a tensão dos professores, que buscam resistir à ofensiva persecutória – inclusive um manual foi criado para orientar o docente sobre como agir em situações como estas –, enquanto aguardam posicionamento do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o tema, declarando a proposta inconstitucional caso passe no Congresso.

    Fonte: Sindicato dos Professores de Minas Gerais (Sinpro-MG)

    Leia também:

    Comunidade Escolar faz ato em apoio ao Colégio Santo Agostinho

    Adiada votação do Escola sem Partido no STF

    Manual de Defesa contra a Censura nas Escolas

    Nota em repúdio à perseguição de professores

    A utopia contra a escola racista, excludente e com partido

    MPF diz à Câmara dos Vereadores de BH que "Escola sem Partido" é inconstitucional

    Presidente da FESAAEMG comemora decisão do STF que suspende a “Lei da Mordaça”

    Rua Hermilio Alves, 335
    Santa Tereza - Belo Horizonte - MG
    CEP 31.010-070
    (31) 3057-8200