Atenção Auxiliares de Administração Escolar
Atenção Auxiliares de Administração Escolar
O SAAEMG orienta os trabalhadores nos seguintes pontos:
Não ao projeto “Escola da Mordaça”
Não ao projeto “Escola da Mordaça”
O SAAEMG solidariza-se com todos que foram agredidos nas dependências da Câmara Municipal de Belo Horizonte
Eles votaram contra a sua aposentadoria
Eles votaram contra a sua aposentadoria
A "Reforma da Previdência aumenta o tempo de contribuição para conseguir a aposentadoria. Saiba quais foram os deputados que traíram o povo
SAAEMG oferece atendimento médico gratuito
SAAEMG oferece atendimento médico gratuito
A categoria tem atendimento em várias especialidades como clínica médica, cardiologia, pediatria, nutrição e fonoaudiologia
Previna-se contra o câncer de mama
Previna-se contra o câncer de mama
Este mês serve de alerta sobre prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama
"Lei da Mordaça"
Colégio Loyola, em Belo Horizonte, censura professora por texto crítico a Bolsonaro
A importância de ser sindicalizado
A importância de ser sindicalizado
Além dos direitos previstos na Convenção Coletiva, vale lembrar também os diversos benefícios oferecidos pelo SAAEMG
Homologação das Rescisões Contratuais
Homologação das Rescisões Contratuais
O SAAEMG orienta as empresas, contabilidades e trabalhadores que as rescisões contratuais devem ser homologadas no sindicato.
Contribuição assistencial e mensalidade sindical
Contribuição assistencial e mensalidade sindical
Atenção, estabelecimentos particulares de ensino para o informe do sindicato
Aos funcionários das escolas de idiomas
Aos funcionários das escolas de idiomas
Leia abaixo o documento

    Notícias

    26/04/2019
    Centrais sindicais mineiras exigem punição da Vale após três meses do crime cometido pela mineradora em Brumadinho
    por CTB Minas

    Foi realizado nessa quinta-feira (25), em Brumadinho, cidade da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), uma Audiência Pública convocada pelo deputado Estadual Celinho do Sintrocel (PCdoB) que marcou o Dia Mundial das Vítimas de Acidente de Trabalho (28 de abril) e também os três meses do rompimento da barragem da mineradora Vale, no povoado de Córrego do Feijão. Até o momento, foram 232 mortes e 40 pessoas ainda continuam desaparecidas. Representantes das Centrais Sindicais, entre elas a Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil em Minas Gerais (CTB-MG), exigiram punição da Vale pelo crime cometido.

    “Este foi o maior acidente de trabalho já registado no Brasil. Pessoas perderam as suas histórias e estão sem perspectivas. Não se trata de uma tragédia, e sim de um crime cometido pela mineradora. A Vale deve ser culpada criminalmente pelas mortes, desde o dano moral até o dano psicológico causado a centenas de pessoas”, afirmou a presidenta CTB-MG, Valéria Morato.

    Autor da audiência, o deputado Estadual Celinho do Sintrocel (PCdoB) lembrou que a cada 15 segundos, um trabalhador morre vítima de acidente de trabalho no mundo. Segundo ele, o Brasil é o quarto colocado em número de acidentes fatais todos os anos. O parlamentar destacou que foram registrados 549 mil acidentes no Brasil, em 2017, com 2.096 mortes.

    Sobre o crime cometido pela Vale em Brumadinho, o deputado disse que a empresa ignorou as normas de segurança (NR 22 e NR 18) vigentes.

    “Como é que a empresa mantém um refeitório abaixo de uma barragem? Isso contraria as normas de segurança e revela que a Vale não aprendeu nada com a tragédia ocorrida na cidade de Mariana”, disse ele.

    Vale de lágrimas

    Integrante da Comissão do Departamento de Saúde do Sindicato dos Metalúrgicos da cidade de Betim, Rogério Djalma, chamou a atenção para o grande número de pessoas doentes na região após o crime cometido pela Vale. Ele lembrou ainda os impactos no meio ambiente. O rompimento da barragem despejou 13 milhões de metros cúbicos de rejeitos de mineração no Rio Paraopeba.

    O senhor Antônio Paulourinho, de 70 anos, foi um dos atingidos após o rompimento da barragem no dia 25 de janeiro. Nascido e criado na comunidade de Córrego do Feijão, ele diz que o desastre acabou com a vida em Brumadinho.

    “Tínhamos uma história bonita. Hoje o Córrego do Feijão tornou-se um córrego de lama, lágrimas e dor”, resumiu ele que perdeu uma sobrinha de 25 anos que trabalhava numa pousada da região e dois primos que trabalhavam na Vale.

    Também presente à audiência, Josiane Melo lembrou da irmã que morreu, Eliane Melo, de 39 anos, que estava grávida de cinco meses.

    “Minha irmã era uma mulher forte e guerreira que lutou para se formar em engenharia. E agora ela perdeu a vida dessa forma. Uma mulher cheia de sonhos e projetos. A revolta é muito grande”, disse ela.

    Já Sirlene Dias de Souza, de 36 anos, que mora às margens do Rio Paraopeba, disse que após o rompimento da barragem, o comportamento dos seus três filhos adolescentes mudou e os casos de depressão na região são comuns.

    “O rio era a nossa fonte de vida. Toda Semana Santa eu e meus filhos pescávamos no Paraopeba. Essa diversão não existe mais. Os meus filhos estão mais agressivos e muitos moradores estão doentes. Minha vontade é de ir embora daqui”.

    Clique aqui e veja as fotos

    Leia também:

    Manifestantes pedem CPI da Mineração em frente ao Prédio da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG)

    É a maior tragédia trabalhista do Brasil, diz procurador-geral do Trabalho

    Vidas interrompidas na maior tragédia ambiental brasileira

    Crime da Samarco completa três anos e vítimas seguem sem reparação

    Clique aqui e assista o documentário produzido pela TV Assembleia (ALMG) intitulado "Memórias Rompidas"

    Rua Hermilio Alves, 335
    Santa Tereza - Belo Horizonte - MG
    CEP 31.010-070
    (31) 3057-8200