NEGOCIAÇÕES CONVENÇÃO COLETIVA DE TRAB. 2020/2022
NEGOCIAÇÕES CONVENÇÃO COLETIVA DE TRAB. 2020/2022
COMUNICADO AOS AUXILIARES DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR
COMUNICADO AOS AUXILIARES DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR
COMUNICADO FUNCIONAMENTO SAAEMG
COMUNICADO FUNCIONAMENTO SAAEMG
Conheça as decisões da liminar
Conheça as decisões da liminar
Convênio médico com atendimento gratuito
Convênio médico com atendimento gratuito
Associados do SAAEMG e seus dependentes contam com atendimento médico gratuito na rede de clínicas Dr.Agora
Bolsas de Estudos - 2020
Bolsas de Estudos - 2020
Pedidos deverão ser feitos no sindicato a partir de abril
Plano de saúde Unimed para a categoria
Plano de saúde Unimed para a categoria
Fale com um consultor agora
Homologação das Rescisões Contratuais
Homologação das Rescisões Contratuais
O SAAEMG orienta as empresas, contabilidades e trabalhadores que as rescisões contratuais devem ser homologadas no sindicato.
Aos funcionários das escolas de idiomas
Aos funcionários das escolas de idiomas
Leia abaixo o documento
Atenção Auxiliares de Administração Escolar
Atenção Auxiliares de Administração Escolar
O SAAEMG orienta os trabalhadores nos seguintes pontos:

    Notícias

    26/04/2019
    Centrais sindicais mineiras exigem punição da Vale após três meses do crime cometido pela mineradora em Brumadinho
    por CTB Minas

    Foi realizado nessa quinta-feira (25), em Brumadinho, cidade da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), uma Audiência Pública convocada pelo deputado Estadual Celinho do Sintrocel (PCdoB) que marcou o Dia Mundial das Vítimas de Acidente de Trabalho (28 de abril) e também os três meses do rompimento da barragem da mineradora Vale, no povoado de Córrego do Feijão. Até o momento, foram 232 mortes e 40 pessoas ainda continuam desaparecidas. Representantes das Centrais Sindicais, entre elas a Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil em Minas Gerais (CTB-MG), exigiram punição da Vale pelo crime cometido.

    “Este foi o maior acidente de trabalho já registado no Brasil. Pessoas perderam as suas histórias e estão sem perspectivas. Não se trata de uma tragédia, e sim de um crime cometido pela mineradora. A Vale deve ser culpada criminalmente pelas mortes, desde o dano moral até o dano psicológico causado a centenas de pessoas”, afirmou a presidenta CTB-MG, Valéria Morato.

    Autor da audiência, o deputado Estadual Celinho do Sintrocel (PCdoB) lembrou que a cada 15 segundos, um trabalhador morre vítima de acidente de trabalho no mundo. Segundo ele, o Brasil é o quarto colocado em número de acidentes fatais todos os anos. O parlamentar destacou que foram registrados 549 mil acidentes no Brasil, em 2017, com 2.096 mortes.

    Sobre o crime cometido pela Vale em Brumadinho, o deputado disse que a empresa ignorou as normas de segurança (NR 22 e NR 18) vigentes.

    “Como é que a empresa mantém um refeitório abaixo de uma barragem? Isso contraria as normas de segurança e revela que a Vale não aprendeu nada com a tragédia ocorrida na cidade de Mariana”, disse ele.

    Vale de lágrimas

    Integrante da Comissão do Departamento de Saúde do Sindicato dos Metalúrgicos da cidade de Betim, Rogério Djalma, chamou a atenção para o grande número de pessoas doentes na região após o crime cometido pela Vale. Ele lembrou ainda os impactos no meio ambiente. O rompimento da barragem despejou 13 milhões de metros cúbicos de rejeitos de mineração no Rio Paraopeba.

    O senhor Antônio Paulourinho, de 70 anos, foi um dos atingidos após o rompimento da barragem no dia 25 de janeiro. Nascido e criado na comunidade de Córrego do Feijão, ele diz que o desastre acabou com a vida em Brumadinho.

    “Tínhamos uma história bonita. Hoje o Córrego do Feijão tornou-se um córrego de lama, lágrimas e dor”, resumiu ele que perdeu uma sobrinha de 25 anos que trabalhava numa pousada da região e dois primos que trabalhavam na Vale.

    Também presente à audiência, Josiane Melo lembrou da irmã que morreu, Eliane Melo, de 39 anos, que estava grávida de cinco meses.

    “Minha irmã era uma mulher forte e guerreira que lutou para se formar em engenharia. E agora ela perdeu a vida dessa forma. Uma mulher cheia de sonhos e projetos. A revolta é muito grande”, disse ela.

    Já Sirlene Dias de Souza, de 36 anos, que mora às margens do Rio Paraopeba, disse que após o rompimento da barragem, o comportamento dos seus três filhos adolescentes mudou e os casos de depressão na região são comuns.

    “O rio era a nossa fonte de vida. Toda Semana Santa eu e meus filhos pescávamos no Paraopeba. Essa diversão não existe mais. Os meus filhos estão mais agressivos e muitos moradores estão doentes. Minha vontade é de ir embora daqui”.

    Clique aqui e veja as fotos

    Leia também:

    Manifestantes pedem CPI da Mineração em frente ao Prédio da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG)

    É a maior tragédia trabalhista do Brasil, diz procurador-geral do Trabalho

    Vidas interrompidas na maior tragédia ambiental brasileira

    Crime da Samarco completa três anos e vítimas seguem sem reparação

    Clique aqui e assista o documentário produzido pela TV Assembleia (ALMG) intitulado "Memórias Rompidas"

    Rua Hermilio Alves, 335
    Santa Tereza - Belo Horizonte - MG
    CEP 31.010-070
    (31) 3057-8200