Atenção Auxiliares de Administração Escolar
Atenção Auxiliares de Administração Escolar
o SAAEMG orienta os trabalhadores nos seguintes pontos:
Categoria, participe da Greve Geral
Categoria, participe da Greve Geral
"Defenda seu direito à aposentadoria, que foi conquistado com muita luta"
Mobilização Digital
Mobilização Digital
Ferramenta permite pressionar deputados contra a 'reforma' da Previdência
Reforma da Previdência penaliza as mulheres
Reforma da Previdência penaliza as mulheres
Saiba mais no texto abaixo. Mulheres ganham menos que homens, são a maioria dos desempregados e têm mais dificuldade em contribuir para a Previdência
Dois times lideram a competição
Dois times lideram a competição
Colégio Santo Agostinho-SEDESP e Colégio Santa Dorotéia lideram nos seus respectivos grupos
Atendimento médico gratuito no sindicato
Atendimento médico gratuito no sindicato
A categoria tem atendimento em várias especialidades médicas como clínica médica, cardiologia, pediatria, nutrição e fonoaudiologia
Leia o documento no site
Leia o documento no site
Bolsonaro tenta desqualificar estudantes e trabalhadores que participaram das manifestações contra a Reforma da Previdência e o corte na educação
A importância de ser sindicalizado
A importância de ser sindicalizado
13º salário, férias...Essas e outras conquistas são frutos da organização dos trabalhadores e os seus sindicatos
Homologação das Rescisões Contratuais
Homologação das Rescisões Contratuais
O SAAEMG orienta as empresas, contabilidades e trabalhadores que as rescisões contratuais devem ser homologadas no sindicato.
Contribuição assistencial e mensalidade sindical
Contribuição assistencial e mensalidade sindical
Atenção, estabelecimentos particulares de ensino para o informe do sindicato
Aos funcionários das escolas de idiomas
Aos funcionários das escolas de idiomas
Leia abaixo o documento

    Notícias

    16/05/2019
    Faltou trabalho para 28,3 milhões de pessoas no 1º trimestre, diz IBGE
    por UOL São Paulo

    A taxa da chamada subutilização da força de trabalho foi de 25% no primeiro trimestre do ano. Isso significa que faltou trabalho para 28,3 milhões de pessoas no Brasil, segundo os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgada hoje pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

    O contingente de pessoas subutilizadas é recorde na série da Pnad Contínua, iniciada em 2012. O grupo reúne os desocupados, os subocupados com menos de 40 horas semanais e pessoas disponíveis para trabalhar, mas que não conseguem procurar emprego por motivos diversos.

    O desemprego no país no período foi de 12,7%, em média. Foi a maior taxa de desemprego trimestral do país desde maio do ano passado (13,3%). O índice subiu em relação ao trimestre anterior (11,8%), mas caiu na comparação com o mesmo trimestre do ano passado (13,7%).

    Segundo o IBGE, o número de desempregados no Brasil nos três primeiros meses de 2019 foi de 13,4 milhões de pessoas. Em 14 das 27 unidades da federação, a taxa cresceu em relação ao trimestre anterior. As maiores taxas foram:

    Amapá (20,2%)

    Bahia (18,3%)

    Acre (18%)

    As menores taxas foram:

    Santa Catarina (7,2%)

    Rio Grande do Sul (8%)

    Paraná e Rondônia (ambos com 8,9%)

    "O que chama atenção é o perfil de dispersão generalizada da subutilização, que é recorde em todas as regiões", disse o coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, Cimar Azeredo.

    Número de desalentados bate recorde

    O número de pessoas que desistiram de procurar emprego também bateu recorde no primeiro trimestre. A chamada população desalentada chegou a 4,8 milhões. Desse total, 60,4% (2,9 milhões) estavam concentrados no Nordeste, de acordo com o IBGE.

    Os maiores contingentes estavam na Bahia (768 mil pessoas) e no Maranhão (561 mil) e os menores, em Roraima (8 mil) e no Amapá (15 mil).

    Mais mulheres desempregadas

    Segundo a pesquisa, as mulheres eram maioria na população em idade de trabalhar no Brasil (52,4%), mas também eram a maior parte (52,6%) da população desocupada. Enquanto o desemprego foi, em média, de 12,7% no país, entre as mulheres a taxa foi de 14,9%. Entre os homens, foi de 10,9%.

    A situação dos jovens também é difícil. A taxa de desemprego entre os brasileiros com idade de 18 a 24 anos ficou em 27,3%, mais que o dobro da média nacional.

    Taxa é maior entre pretos e pardos

    A pesquisa mostrou ainda que, enquanto a taxa de desemprego dos que se declararam brancos (10,2%) ficou abaixo da média nacional (12,7%), a dos pretos (16%) e a dos pardos (14,5%) ficaram acima.

    No primeiro trimestre de 2019, os pardos representavam 47,9% da população fora da força de trabalho, seguidos pelos brancos (42,2%) e pelos pretos (8,9%).

    O uso do termo "preto" costuma ser criticado nas redes sociais como supostamente preconceituoso, mas é a terminologia oficial da pesquisa do IBGE. O grupo mais genérico de "negros" reúne as cores específicas, "preta" e "parda", explica o IBGE.

    Leia também:

    Brasil dá aula de mobilização nas ruas em 15/5. BH supera expectativas

    Músicas de artistas consagrados ajudam a contextualizar o atual momento político e econômico do país

    Em nota, CNBB cita Papa Francisco e diz que reforma da Previdência deve ser duramente denunciada

    Rua Hermilio Alves, 335
    Santa Tereza - Belo Horizonte - MG
    CEP 31.010-070
    (31) 3057-8200