COMUNICADO URGENTE AOS TRABALHADORES DA FUMEC
COMUNICADO URGENTE AOS TRABALHADORES DA FUMEC
ATENDIMENTO NUTRICIONAL ON-LINE NO SAAEMG
ATENDIMENTO NUTRICIONAL ON-LINE NO SAAEMG
PRORROGAÇÃO DE PRAZO PARA PEDIDO DE BOLSAS DE ESTUDOS ATÉ 25/06/2020
PRORROGAÇÃO DE PRAZO PARA PEDIDO DE BOLSAS DE ESTU
COMUNICADO 11/06/2020 – RESULTADO ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA VIRTUAL - APROVAÇÃO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2020/2021
COMUNICADO 11/06/2020 – RESULTADO ASSEMBLEIA GERAL
PROPOSTA DE CCT 2020/2021 A SER VOTADA NA AGE VIRTUAL
PROPOSTA DE CCT 2020/2021 A SER VOTADA NA AGE VIRT
EDITAL DE CONVOCAÇÃO - ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA VIRTUAL
EDITAL DE CONVOCAÇÃO - ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDIN
NEGOCIAÇÕES CONVENÇÃO COLETIVA DE TRAB. 2020/2022
NEGOCIAÇÕES CONVENÇÃO COLETIVA DE TRAB. 2020/2022
COMUNICADO AOS AUXILIARES DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR
COMUNICADO AOS AUXILIARES DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR
COMUNICADO FUNCIONAMENTO SAAEMG
COMUNICADO FUNCIONAMENTO SAAEMG
Conheça as decisões da liminar
Conheça as decisões da liminar
Convênio médico com atendimento gratuito
Convênio médico com atendimento gratuito
Associados do SAAEMG e seus dependentes contam com atendimento médico gratuito na rede de clínicas Dr.Agora
Bolsas de Estudos - 2020
Bolsas de Estudos - 2020
Pedidos deverão ser feitos no sindicato a partir de abril
Plano de saúde Unimed para a categoria
Plano de saúde Unimed para a categoria
Fale com um consultor agora
Homologação das Rescisões Contratuais
Homologação das Rescisões Contratuais
O SAAEMG orienta as empresas, contabilidades e trabalhadores que as rescisões contratuais devem ser homologadas no sindicato.
Aos funcionários das escolas de idiomas
Aos funcionários das escolas de idiomas
Leia abaixo o documento
Atenção Auxiliares de Administração Escolar
Atenção Auxiliares de Administração Escolar
O SAAEMG orienta os trabalhadores nos seguintes pontos:

    Notícias

    24/05/2019
    Como a reforma da Previdência de Bolsonaro afeta as mulheres brasileiras
    por Jornal Brasil de Fato

    Mulheres ganham menos que homens, são a maioria dos desempregados e além disso trabalham mais horas por semana. Por isso, elas serão as mais prejudicadas caso a reforma da Previdência seja aprovada.
    Leia abaixo algumas informações que devem ser analisadas nesse contexto e que foram destacadas pelo Jornal Brasil de Fato/Dieese.

    Por que mulheres devem aposentar mais cedo?

    Mulheres trabalhadoras fazem em média 17 horas por semana de tarefas domésticas, enquanto homens fazem 8 horas e meia por semana. Na soma entre as horas de trabalho fora e dentro de casa, as mulheres trabalham 54 horas por semana, e os homens 50 horas. A reforma da Previdência não considera isso e quer igualar a idade de aposentadoria para os trabalhadores e trabalhadoras rurais, mesmo mulheres do campo tendo muito mais trabalho em casa.

    Aumento da idade mínima atrapalha aposentadoria feminina

    A nova proposta sobe para 62 anos a idade mínima para as mulheres se aposentarem. A aposentadoria por idade é a mais comum entre as trabalhadoras, pois não conseguem chegar ao tempo mínimo de contribuição. Em 2017, 63% dos aposentados por idade eram mulheres.

    Mulheres têm mais dificuldade em contribuir para a Previdência

    Do total de mulheres trabalhando, quase metade (47%) não possui registro de carteira assinada. Elas trabalham sem carteira, por conta própria ou auxiliando a família. 14,5 milhões de mulheres declaram que não contribuem para a Previdência. Das trabalhadoras domésticas, 62% não conseguem pagar o INSS. Se elas tiverem que contribuir por 40 anos para ter a aposentadoria integral, muitas não chegarão lá.

    Trabalhadoras negras serão ainda mais penalizadas

    Mesmo entre as mulheres, há grande desigualdade de salários. O rendimento das mulheres brancas é 70% maior que o das mulheres negras. As trabalhadoras negras são maioria nos trabalhos mais pesados (faxina, serviços gerais) e informais, com ainda mais dificuldade para contribuir com o INSS.

    Como é hoje pelas regras atuais?

    Pelas regras atuais, uma mulher de 55 anos e com 25 anos de contribuição teria de trabalhar mais cinco anos para se aposentar por idade e conseguir receber o benefício integral. Ou seja, estaria aposentada aos 60 anos e com 30 anos de contribuição.

    Como pode ficar com a reforma da Previdência?

    Já pelas regras de transição propostas pelo presidente Bolsonaro, que quer implementar a idade mínima de 62 anos para as mulheres, essa mesma mulher terá de trabalhar mais sete anos (55+7 = 62) para se aposentar por idade. Ainda assim, ela só chegaria a 32 anos de contribuição (25+7 = 32) e não se aposentaria com o benefício integral, que, pelas novas regras, vai exigir, no mínimo, 40 anos de contribuição.

    Dessa forma, o benefício será de apenas 60% a quem atingir 20 anos de contribuição e sobe 2% por ano de contribuição que exceder esse tempo mínimo exigido na proposta de reforma, até chegar a 100% com 40 anos de contribuição.

    No caso da trabalhadora, a conta resultaria em um benefício de apenas 84% do valor a que ela teria direito pela regra atual. Ou seja, 60% correspondentes aos 20 anos mais 24% referentes aos 12 anos a mais que ela contribuiu para poder se aposentar aos 62 anos de idade.

    “A mulher na faixa etária dos 55 anos ou menos será a mais prejudicada. Se ela quiser se aposentar com benefício integral, terá de trabalhar mais sete anos e continuar a contribuir por mais dez anos. Ou seja, somente aos 70 anos de idade ela se aposentaria com salário integral”, afirma a professora de Economia e Relações do Trabalho do Centro de Estudos Sindicais e de Economia do Trabalho da Universidade Estadual de Campinas (Cesit-Unicamp), Marilane Teixeira.

    Leia também:

    Em nota, CNBB cita Papa Francisco e diz que reforma da Previdência deve ser duramente denunciada

    Fontes de custeio da Previdência Social e Déficit Previdenciário: Verdades e mitos na reforma da Previdência

    Reforma da Previdência dificulta aposentadoria e rebaixa benefícios

    OAB-MG se posiciona contra a Reforma da Previdência

     

    Rua Hermilio Alves, 335
    Santa Tereza - Belo Horizonte - MG
    CEP 31.010-070
    (31) 3057-8200