Atenção Auxiliares de Administração Escolar
Atenção Auxiliares de Administração Escolar
O SAAEMG orienta os trabalhadores nos seguintes pontos:
Categoria, participe da Greve Geral
Categoria, participe da Greve Geral
"Defenda seu direito à aposentadoria, que foi conquistado com muita luta"
Reforma da Previdência
Reforma da Previdência
Capitalização falhou em 60% dos países que mudaram previdência, diz OIT. Na capitalização, o trabalhador faz a própria poupança para sua aposentadoria
Atendimento médico gratuito no sindicato
Atendimento médico gratuito no sindicato
A categoria tem atendimento em várias especialidades médicas como clínica médica, cardiologia, pediatria, nutrição e fonoaudiologia
A importância de ser sindicalizado
A importância de ser sindicalizado
Além dos direitos previstos na Convenção Coletiva, vale lembrar também os diversos benefícios oferecidos pelo SAAEMG
Homologação das Rescisões Contratuais
Homologação das Rescisões Contratuais
O SAAEMG orienta as empresas, contabilidades e trabalhadores que as rescisões contratuais devem ser homologadas no sindicato.
Contribuição assistencial e mensalidade sindical
Contribuição assistencial e mensalidade sindical
Atenção, estabelecimentos particulares de ensino para o informe do sindicato
Aos funcionários das escolas de idiomas
Aos funcionários das escolas de idiomas
Leia abaixo o documento

    Notícias

    28/05/2019
    Rio Doce pode ser atingido novamente, caso barragem em Barão de Cocais se rompa
    por Redação Brasil de Fato | São Paulo (SP)

    FOTO BARÃO DE COCAIS

    Moradores protestaram durante treinamento de evacuação na cidade de Barão de Cocais (MG) no sábado (18) / Foto: Divulgação

    Um possível rompimento da barragem Sul Superior da mina de Gongo Soco, em Barão de Cocais (MG), pode contaminar novamente a bacia do Rio Doce, de acordo com comunicado oficial divulgado pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais (Semad).

    A bacia já foi afetada em novembro de 2015, após o rompimento da barragem da mineradora Samarco (controlada pela Vale e pela BHP Billiton) em Mariana (MG). Na época, a lama escoou até o litoral, impactando dezenas de municípios de Minas Gerais e do Espírito Santo. 

    Já com o provável rompimento da barragem em Barão de Cocais - anunciado pela própria Vale e pela Agência Nacional de Mineração (ANM), a lama deve chegar a quatro córregos que atingiriam o Rio Santa Bárbara, afluente do Rio Piracicaba, que, por sua vez, é afluente do Rio Doce. A água desses mananciais se tornaria imprópria para o consumo humano e, devido a redução do oxigênio, peixes e outras espécies aquáticas podem morrer.

    Além disso, "Os cursos d’água podem ter redução da vazão decorrente do assoreamento da calha principal e deposição do rejeito", informa a nota da Semad. O comunicado também diz que os rejeitos devem destruir cerca de 383 hectares de mata atlântica e pode, ainda, ter impactos energéticos, pois atingiria a Usina Hidrelétrica de Peti, em São Gonçalo do Rio Abaixo (MG). 

    Rompimento iminente

    Moradores das proximidades da mina vivem dias de angústia, desde fevereiro, quando cerca de 400 pessoas foram evacuadas da chamada Zona de Autossalvamento (ZAS) da barragem (comunidades de Piteiras, Socorro, Tabuleiro e Vila do Gongo).

    Em março, o nível de alerta dessa mesma barragem, que possui 85 metros de altura e 5 milhões de m³ de rejeitos, subiu para nível 3. O prazo previsto pela ANM para rompimento do talude era o último sábado (25). Em um documento enviado ao Ministério Público de Minas Gerais pela Vale, a engenheira Rafaela Baldi reconheceu que "com as vibrações típicas da atividade minerária, esta estrutura vai se desestabilizando e pode cair sobre a cava”.

    No domingo (26), um dia após o prazo final anteriormente anunciado, a ANM anunciou que a barragem pode se romper a qualquer momento. Em alguns pontos, a movimentação do talude da barragem (espécie de "paredão" que fica acima da cava de mineração na mina de Gongo Soco) chegou a  20 centímetros por dia – o ritmo considerado normal é de 10 centímetros por ano. O rompimento do talude pode causar uma reação que levaria a barragem ao colapso. 

    Em nota, a Vale afirma que tem tomado todas as medidas preventivas para garantir a segurança dos moradores, e que "tanto o talude da mina de Gongo Soco como a Barragem Sul Superior estão sendo monitorados 24 horas por dia e as previsões sobre deslocamento de parte do talude, revistas diariamente".

    Edição: Aline Carrijo

    Leia também:

    Centrais sindicais mineiras exigem punição da Vale após três meses do crime cometido pela mineradora em Brumadinho

    Manifestantes pedem CPI da Mineração em frente ao Prédio da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG)

    É a maior tragédia trabalhista do Brasil, diz procurador-geral do Trabalho

    Vidas interrompidas na maior tragédia ambiental brasileira

    Crime da Samarco completa três anos e vítimas seguem sem reparação

    Clique aqui e assista o documentário produzido pela TV Assembleia (ALMG) intitulado "Memórias Rompidas"

    Rua Hermilio Alves, 335
    Santa Tereza - Belo Horizonte - MG
    CEP 31.010-070
    (31) 3057-8200