NEGOCIAÇÕES CONVENÇÃO COLETIVA DE TRAB. 2020/2022
NEGOCIAÇÕES CONVENÇÃO COLETIVA DE TRAB. 2020/2022
COMUNICADO AOS AUXILIARES DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR
COMUNICADO AOS AUXILIARES DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR
COMUNICADO FUNCIONAMENTO SAAEMG
COMUNICADO FUNCIONAMENTO SAAEMG
Conheça as decisões da liminar
Conheça as decisões da liminar
Convênio médico com atendimento gratuito
Convênio médico com atendimento gratuito
Associados do SAAEMG e seus dependentes contam com atendimento médico gratuito na rede de clínicas Dr.Agora
Bolsas de Estudos - 2020
Bolsas de Estudos - 2020
Pedidos deverão ser feitos no sindicato a partir de abril
Plano de saúde Unimed para a categoria
Plano de saúde Unimed para a categoria
Fale com um consultor agora
Homologação das Rescisões Contratuais
Homologação das Rescisões Contratuais
O SAAEMG orienta as empresas, contabilidades e trabalhadores que as rescisões contratuais devem ser homologadas no sindicato.
Aos funcionários das escolas de idiomas
Aos funcionários das escolas de idiomas
Leia abaixo o documento
Atenção Auxiliares de Administração Escolar
Atenção Auxiliares de Administração Escolar
O SAAEMG orienta os trabalhadores nos seguintes pontos:

    Notícias

    04/06/2019
    Violência contra a mulher é tema de seminário em Varginha
    por CTB Minas*

    O Brasil é um dos países mais violentos do mundo para as mulheres. Um estudo divulgado pelo Escritório das Nações Unidas para Crime e Drogas revela que, no país, a taxa de homicídios femininos é de quatro mulheres mortas para cada grupo de 100 mil mulheres, ou seja, 74% superior à média mundial que é de 2,3 mortes para cada 100 mil mulheres.

    Para debater essa triste realidade, foi realizado na última semana, na cidade de Varginha, região Sul de Minas Gerais, o Seminário de Prevenção à Violência Doméstica. O evento aconteceu no Teatro Mestrinho do Colégio Marista e reuniu especialistas, professores, estudantes e movimentos sociais. A Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil no Estado (CTB-MG) foi representada pela professora Mônica Cardoso. Ela integra o Conselho Municipal dos Direitos das Mulheres, em Varginha, pelo Sindicato dos Professores (Sinpro-MG) e a CTB-MG.

    Segundo a educadora, a iniciativa do governo Bolsonaro de flexibilizar o porte de armas no país vai agravar o quadro de violência contra as mulheres.

    “Sou totalmente contra essa medida que flexibiliza o porte de armas. O índice de violência de gênero e feminicídio, que já é elevado, tende a aumentar. Dados mostram que a violência contra as mulheres se intensificou. A cada semana, morrem 33 mulheres no Brasil”, afirma Mônica Cardoso, que participou da palestra de abertura do seminário. Na ocasião, foi apresentado um projeto da Polícia Militar (PM) que oferece assistência às vítimas e orienta os agressores.

    Já a professora Mônica Cardoso destacou o trabalho da Rede de Enfrentamento Contra a Violência de Gênero de Varginha, além de propor a abertura para a entrada do Coletivo Feminismo Popular de Varginha à rede. A proposta foi aprovada pelos participantes durante do seminário.

    Fases da violência

    A violência doméstica caracteriza-se por várias fases. São elas, aumento da tensão, ato de violência, arrependimento e comportamento carinhoso. A professora Mônica Cardoso destacou cada uma dessas fases durante palestra ministrada na Fundação Varginhense de Assistência Aos Excepcionais (FUVAE).

    Veja abaixo:

    Fase 1: Aumento da Tensão

    Nesse primeiro momento, o agressor mostra-se tenso e irritado por coisas insignificantes, chegando a ter acessos de raiva. Ele também humilha a vítima, faz ameaças e destrói objetivos.

    A mulher tenta acalmar o agressor, fica aflita e evita qualquer conduta que possa “provocá-lo”. As sensações são muitas: tristeza, angústia, ansiedade, medo e desilusão são apenas algumas.

    Em geral, a vítima tende a negar que isso está acontecendo com ela, esconde que fez algo de errado para justificar o comportamento violento do agressor ou que “ele teve um dia ruim no trabalho”, por exemplo. Essa tensão pode durar dias ou anos, mas como ela aumenta cada vez mais, é muito provável que a situação levará à fase 2.

    Fase 2: Ato de Violência

    Esta fase corresponde à explosão do agressor, ou seja, a falta de controle chega ao limite e leva ao ato violento. Aqui, toda a tensão acumulada na fase 1 se materializa em violência verbal, física, psicológica, moral e patrimonial.

    Mesmo tendo consciência de que o agressor está fora de controle e tem um poder destrutivo grande em relação à sua vida, o sentimento da mulher é de paralisia e impossibilidade de reação. Aqui, ela sofre de uma tensão psicológica severa (insônia, perda de peso, fadiga constante, ansiedade) e sente medo, ódio, solidão, pena de si mesma, vergonha, confusão e dor.

    Nesse momento, ela também pode tomar decisões, como buscar ajudar, denunciar, esconder-se na casa de amigos e parentes, pedir a separação e até mesmo suicidar-se. Geralmente, há um distanciamento do agressor.

    Fase 3: Arrependimento e Comportamento Carinhoso

    Também conhecida como “lua de mel”, essa fase se caracteriza pelo arrependimento do agressor, que se torna amável para conseguir a reconciliação.

    Há um período relativamente calmo, em que a mulher se sente feliz por constatar os esforços e as mudanças de atitude, lembrando também os momentos bons que tiveram juntos. Como há a demonstração de remorso, ela se sente responsável por ele, o que estreita a relação de dependência entre vítima e agressor.

    Um misto de medo, confusão, culpa e ilusão fazem parte dos sentimentos da mulher. Por fim, a tensão volta e, com ela, as agressões da fase 1.

    *CTB - Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil

    Leia também:

    Mulheres em luta contra a violência

    CNBB pede para católicos votarem em candidatos favoráveis à democracia e contra a violência

    Câmara dos deputados terá apenas 14% de mulheres a partir de 2019

    A Rede Globo e a cultura do ódio e da mentira

    Juventude de todo o mundo, uni-vos!

    Começa a campanha dos 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher

    Rua Hermilio Alves, 335
    Santa Tereza - Belo Horizonte - MG
    CEP 31.010-070
    (31) 3057-8200