NEGOCIAÇÕES CONVENÇÃO COLETIVA DE TRAB. 2020/2022
NEGOCIAÇÕES CONVENÇÃO COLETIVA DE TRAB. 2020/2022
COMUNICADO AOS AUXILIARES DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR
COMUNICADO AOS AUXILIARES DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR
COMUNICADO FUNCIONAMENTO SAAEMG
COMUNICADO FUNCIONAMENTO SAAEMG
Conheça as decisões da liminar
Conheça as decisões da liminar
Convênio médico com atendimento gratuito
Convênio médico com atendimento gratuito
Associados do SAAEMG e seus dependentes contam com atendimento médico gratuito na rede de clínicas Dr.Agora
Bolsas de Estudos - 2020
Bolsas de Estudos - 2020
Pedidos deverão ser feitos no sindicato a partir de abril
Plano de saúde Unimed para a categoria
Plano de saúde Unimed para a categoria
Fale com um consultor agora
Homologação das Rescisões Contratuais
Homologação das Rescisões Contratuais
O SAAEMG orienta as empresas, contabilidades e trabalhadores que as rescisões contratuais devem ser homologadas no sindicato.
Aos funcionários das escolas de idiomas
Aos funcionários das escolas de idiomas
Leia abaixo o documento
Atenção Auxiliares de Administração Escolar
Atenção Auxiliares de Administração Escolar
O SAAEMG orienta os trabalhadores nos seguintes pontos:

    Notícias

    28/06/2019
    Música e Trabalho: Menino da Porteira
    por Centro de Memória Sindical

    "Menino da Porteira" é, até hoje, uma das músicas mais regravadas do Brasil. A letra fala de uma criança trabalhando. Criança sem escola. Criança sem lazer. O que pode acontecer no futuro de uma criança assim?

    Clique aqui e ouça.

    Menino da Porteira

    (Teddy Vieira e Luizinho/1955)

    Toda vez que eu viajava

    Pela estrada de ouro fino

    De longe eu avistava

    A figura de um menino

    Que corria abri a porteira

    Depoi vinha me pedindo

    Toque o berrante seu moço

    Que é pra mim ficá ouvindo

     

    Quando a boiada passava

    Que a porteira ia fechando

    Eu jogava uma moeda,

    Ele saia pulando;

    Obrigado, boiadeiro

    Que Deus vai lhe acompanhando

    Pra aquele sertão afora

    Meu berrante ia tocando

     

    No caminho desta vida

    Muito espinho encontrei

    Mais nenhum calou mais fundo

    Do que isso que eu passai:

    Na minha viage de volta

    Quarqué coisa eu cismei,

    Vendo a porteira fechada

    E o menino não avistei

     

    Apiei do meu cavalo

    Num ranchinho beira chão,

    Vi uma muié chorando

    Quis sabê qual a razão:

     

    Boiadeiro veio tarde,

    Veja a cruz no estradão,

    Quem matou o meu filinho

    Foi um boi sem coração

     

    Lá pra banda de ouro fino

    Levando o gado servage,

    Quando eu passo na porteira

    Até vejo sua image

    O seu rangido tão triste

    Mai parece uma mensage

    Daquele rosto trigueiro

    Desejando me boa viage

     

    A cruzinha do estradão

    Do pensamento não sai

    Eu já fiz um juramento

    Que eu não esqueço jamais

    Nem que o meu gado estore

    Que eu preciso ir atrás

    Nesse pedaço de chão

    Berrante eu não toco mais.

    Ouça também:

    Músicas de artistas consagrados ajudam a contextualizar o atual momento político e econômico do país

    Beth Carvalho canta “Saco de Feijão”; ouça

    Jair Rodrigues canta “Operário Brasileiro”

    Música e trabalho: Ouça "A voz do povo", de Paulinho da Viola

    Leia também:

    A Rede Globo e a cultura do ódio e da mentira

    Juventude de todo o mundo, uni-vos!

    "Influencers" mirins: A vida de uma geração presa ao celular

    Pacto pela juventude defende maior participação de jovens nas decisões do país

    Assista

    Clique aqui e assista a “Origem dos sindicatos”

    Clique aqui e assista “Conquistas dos sindicatos”

     

     

    Rua Hermilio Alves, 335
    Santa Tereza - Belo Horizonte - MG
    CEP 31.010-070
    (31) 3057-8200