Convênio médico com atendimento gratuito
Convênio médico com atendimento gratuito
Associados do SAAEMG e seus dependentes contam com atendimento médico gratuito na rede de clínicas Dr.Agora
Bolsas de Estudos - 2020
Bolsas de Estudos - 2020
Pedidos deverão ser feitos no sindicato a partir de abril
SAAEMG lança Portal da Transparência
SAAEMG lança Portal da Transparência
O objetivo é informar os associados, em especial, como é gasto o dinheiro arrecadado pelo sindicato.
Conheça os benefícios de ser sindicalizado(a)
Conheça os benefícios de ser sindicalizado(a)
SAAEMG, somos trabalhadores. Somos educadores!
Plano de saúde Unimed para a categoria
Plano de saúde Unimed para a categoria
Fale com um consultor agora
Homologação das Rescisões Contratuais
Homologação das Rescisões Contratuais
O SAAEMG orienta as empresas, contabilidades e trabalhadores que as rescisões contratuais devem ser homologadas no sindicato.
Aos funcionários das escolas de idiomas
Aos funcionários das escolas de idiomas
Leia abaixo o documento
Atenção Auxiliares de Administração Escolar
Atenção Auxiliares de Administração Escolar
O SAAEMG orienta os trabalhadores nos seguintes pontos:

    Notícias

    16/08/2019
    Desigualdade cresce há quatro anos no Brasil, indica pesquisa da FGV
    por Katarine Flor - Jornal Brasil de Fato

    Os brasileiros sofrem há quatro anos seguidos com o aumento da desigualdade. Isto é o que aponta o estudo lançado nesta quinta-feira (15) pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). 

    A pesquisa "A Escalada da Desigualdade", indica que concentração de renda dura 17 trimestres consecutivos. Um recorde nas séries históricas do Brasil. 

    Responsável pela pesquisa, o diretor do FGV, Marcelo Neri, afirma que o aumento da desigualdade contribuiu para a intensificação da crise.“A desigualdade joga areia nas engrenagens da economia, porque o consumo dos mais pobres é maior com proporção da renda”. 

    Trimestre a trimestre houve uma forte perda de bem-estar social. “O que impressiona nessa crise, mais do que a intensidade e a duração dessa recessão, foi o fato de a gente não só estar no fundo do vale por muito tempo, mas como a gente estava no auge”, avalia.

    As pessoas pobres sofrem mais com os efeitos da crise do que as que as mais ricas. Além disso, são elas que estão demorando mais para se recuperar, comenta o pesquisador. “O bem estar até 2014 crescia a 6,5% ao ano - porque a renda crescia e a desigualdade caia, o bolo crescia com mais fermento na base . A gente saiu de mais 6,5% para menos 6,5% em um período de 2 anos. Mais do que uma uma queda profunda é uma desaceleração gigantesca”. 

    Segundo a instituição, nem mesmo em 1989, que constitui o pico histórico de desigualdade no país, houve um movimento de concentração de renda por tantos períodos consecutivos. 

    Leia também:

    Avanço neoliberal faz fome atingir 42,5 milhões de pessoas na América Latina e Caribe

    Aumenta a desigualdade de renda do trabalhador no Brasil

    Com mercado de trabalho frágil, número de autônomos, subutilizados e desalentados é recorde 

    Desemprego no Brasil chega a 12,5% e atinge 13,2 milhões de trabalhadores, diz IBGE

    Rua Hermilio Alves, 335
    Santa Tereza - Belo Horizonte - MG
    CEP 31.010-070
    (31) 3057-8200