Participe da Campanha Salarial 2020/2021
Participe da Campanha Salarial 2020/2021
Serão 10 assembleias. Veja abaixo as datas e os locais dos encontros. Compareça e faça valer os seus direitos. Juntos, somos mais fortes!
Novembro Negro
Novembro Negro
Por que mês da Consciência Negra e não da Consciência Humana?
Saúde gratuita para associados e dependentes
Saúde gratuita para associados e dependentes
Associados do SAAEMG e seus dependentes contam com atendimento médico gratuito na rede de clínicas Dr.Agora
Educação
Educação
Pela primeira vez, negros são maioria no ensino superior público
A importância de ser sindicalizado
A importância de ser sindicalizado
Além dos direitos previstos na Convenção Coletiva, vale lembrar também os diversos benefícios oferecidos pelo SAAEMG
Homologação das Rescisões Contratuais
Homologação das Rescisões Contratuais
O SAAEMG orienta as empresas, contabilidades e trabalhadores que as rescisões contratuais devem ser homologadas no sindicato.
Contribuição assistencial e mensalidade sindical
Contribuição assistencial e mensalidade sindical
Atenção, estabelecimentos particulares de ensino para o informe do sindicato
Aos funcionários das escolas de idiomas
Aos funcionários das escolas de idiomas
Leia abaixo o documento
Atenção Auxiliares de Administração Escolar
Atenção Auxiliares de Administração Escolar
O SAAEMG orienta os trabalhadores nos seguintes pontos:

    Notícias

    04/11/2019
    Brasil tem atos contra governo Bolsonaro nesta terça (5)
    por Wallace Oliveira - Jornal Brasil de Fato

    Em dezenas de cidades brasileiras, manifestantes saem às ruas nesta terça-feira (5), em atos públicos contra o governo Bolsonaro (PSL). Em Belo Horizonte, a manifestação está marcada para começar às 17h, na Praça Afonso Arinos, região central.

    Intitulados “Basta de Bolsonaro”, os atos são iniciativa das organizações estudantis e contam com a participação das frente Brasil Popular e Povo sem Medo, numa resposta aos escândalos envolvendo o governo Bolsonaro. Na última semana, o nome do presidente foi relacionado ao crime que vitimou a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes.

    “Convocamos esse ato para exigir justiça por Marielle, mas também por tudo o que Bolsonaro tem feito. As políticas dele são para explorar ainda mais as pessoas, não há nada que resolva os problemas do país. Ele ataca a educação, temos visto o ambiente ser degradado com as queimadas, o óleo nas praias, o problema do desemprego, para o qual Bolsonaro não propõe nada, a reforma da Previdência, que foi uma prioridade do governo”, comenta Paula Silva, diretora de mulheres da União Nacional dos Estudantes (UNE).

    Paula ressalta que os atos desta terça vêm na continuidade dos atos massivos convocados por estudantes nos meses de maio e junho. Na época, milhares de pessoas em todo o país saíram às ruas, após o governo anunciar os cortes na educação e pesquisa científica no país. “Este ato de agora também é em defesa da educação e de um país democrático. Então, há uma convergência com tudo o que temos construído neste ano”, conclui.

    Milicianos e Bolsonaros

    Na terça-feira (29), dia em que Bolsonaro estava na Arábia Saudita, em encontro amigável com o ditador Mohammed bin Salman, a TV Globo, sua antiga aliada, divulgou investigações relacionando o presidente aos suspeitos dos assassinatos de Marielle e Anderson. 

    Segundo o porteiro do condomínio de Bolsonaro, o Vivendas da Barra, o miliciano Sargento Élcio Queiroz obteve autorização para entrar no condomínio a partir de uma chamada na casa 58, pertencente à família de Jair Bolsonaro. Élcio Queiroz já foi fotografado com Bolsonaro. A Globo não disse que foi Bolsonaro quem autorizou a entrada.

    Um dia depois, o Ministério Público divulgou que a autorização partiu do miliciano e ex-sargento Ronnie Lessa, outro suspeito do crime, que era vizinho e conhecido de Bolsonaro. A filha de Ronnie Lessa já namorou o caçula do presidente, Renan Bolsonaro. O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), entretanto, não disse de qual residência Ronnie teria autorizado a entrada.

    Na quinta (31), a imprensa divulgou amplamente que uma das responsáveis por acompanhar o caso pelo MPRJ, a promotora Carmen Eliza Bastos de Carvalho, era militante bolsonarista. Carmen, além disso, participou de ato que quebrou uma placa que homenageava Marielle, ao lado do deputado estadual Rodrigo Amorim (PSL-RJ). Após ter sido divulgada sua relação com a política bolsonarista, Carmen pediu afastamento do caso. 

    Um dos filhos do presidente, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-RJ), defendeu uma nova edição do Ato Institucional nº 5 (AI-5). Essa medida foi decretada pela ditadura militar em 1968, suspendendo os direitos civis da população e permitindo o sequestro, tortura, assassinato e ocultação de cadáver de “opositores” do regime, entre os quais crianças e mulheres grávidas.

    A declaração do deputado foi amplamente repudiada no meio político. A oposição apresentou uma notícia-crime junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), já que Eduardo Bolsonaro tem foro privilegiado. A oposição afirma que a conduta do filho do presidente configura incitação e apologia ao crime, tipos previstos nos artigos 286 e 287 do Código Penal.

    No sábado (2), Bolsonaro disse à imprensa que se apropriou de provas relacionadas às investigações do assassinato da vereadora Marielle e Anderson. Ele determinou que fossem recolhidas as gravações de voz da portaria do condomínio onde tem casa no Rio de Janeiro. Para a oposição ao governo, esse ato configura crime de obstrução da Justiça e fundamentaria um pedido de impeachment.

    Leia também:

    5 de novembro contra o AI-5: Ato é convocado em todo o país

    Declarações de Bolsonaro em favor da tortura reavivam a memória da luta de Dom Hélder

    31 de Março de 1964 - Uma história encharcada de sangue

    Clique aqui e assita o documentário "Memórias da Ditadura Militar no Brasil"

    Orçamento de Bolsonaro para 2020 tira metade dos recursos do MEC para pesquisa

    Educação é a área com maior desaprovação no Governo Bolsonaro

    Governo corta repasse para educação básica e esvazia programas

    Rua Hermilio Alves, 335
    Santa Tereza - Belo Horizonte - MG
    CEP 31.010-070
    (31) 3057-8200