Participe da Campanha Salarial 2020/2021
Participe da Campanha Salarial 2020/2021
Serão 10 assembleias. Veja abaixo as datas e os locais dos encontros. Compareça e faça valer os seus direitos. Juntos, somos mais fortes!
Novembro Negro
Novembro Negro
Por que mês da Consciência Negra e não da Consciência Humana?
Saúde gratuita para associados e dependentes
Saúde gratuita para associados e dependentes
Associados do SAAEMG e seus dependentes contam com atendimento médico gratuito na rede de clínicas Dr.Agora
Educação
Educação
Pela primeira vez, negros são maioria no ensino superior público
A importância de ser sindicalizado
A importância de ser sindicalizado
Além dos direitos previstos na Convenção Coletiva, vale lembrar também os diversos benefícios oferecidos pelo SAAEMG
Homologação das Rescisões Contratuais
Homologação das Rescisões Contratuais
O SAAEMG orienta as empresas, contabilidades e trabalhadores que as rescisões contratuais devem ser homologadas no sindicato.
Contribuição assistencial e mensalidade sindical
Contribuição assistencial e mensalidade sindical
Atenção, estabelecimentos particulares de ensino para o informe do sindicato
Aos funcionários das escolas de idiomas
Aos funcionários das escolas de idiomas
Leia abaixo o documento
Atenção Auxiliares de Administração Escolar
Atenção Auxiliares de Administração Escolar
O SAAEMG orienta os trabalhadores nos seguintes pontos:

    Notícias

    08/11/2019
    Entenda o pacote de Bolsonaro que coloca o Estado a serviço do mercado
    por Erick Gimenes, Jornal Brasil de Fato

    O pacote de medidas econômicas apresentado pelo governo de Jair Bolsonaro (PSL) ao Congresso é uma tentativa de desmonte do Estado em prol de interesses privados, afirmam deputados da oposição e economistas ouvidos pelo Brasil de Fato.

    Na terça-feira (5), foram feitas três Propostas de Emenda Constitucional (PECs), englobadas no que a equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, chama de “Plano Mais Brasil”: PEC do Pacto Federativo, PEC Emergencial e PEC dos Fundos Públicos.

    As propostas mexem fundamentalmente em fundos públicos, na carreira de servidores e em regras de contas públicas que envolvem, por exemplo, repasses às pastas de saúde e educação de estados e municípios.

    Para a oposição, o pacote não promoveria melhorias econômicas efetivas, mas sim abriria caminho para privatizações, prejuízos ao funcionalismo público e estrangulamento de políticas sociais.

    Estado X mercado: “O governo dos agiotas”

    A deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) classificou o pacote proposto como “PEC da Agiotagem”. Segundo ela, todas as medidas propostas têm o objetivo único de pagar juros de dívidas públicas a rentistas e atender a interesses de bancos.

    “Todo superávit, em vez de ir para saúde e educação, vai para pagar dívida, pagar juros. Está escrito nas PECs. Os fundos públicos que eles extinguem – Fundo Nacional de Saúde, Fundo de Ciência e Tecnologia –, fundos criados para políticas públicas… sabe para onde vai o dinheiro desses fundos. O que significam superávits? Para pagar dívida pública. Para banco, para juros. Essas PECs são para isso. Este é o governo dos agiotas”.

    O pesquisador da Universidade de Brasília (UnB) e economista David Daccache concorda com a deputada. Para ele, as propostas visam destruir o Estado para abrir espaço a interesses privados.

    “É um projeto estrutural de redução do Estado para que se abra esferas de acumulação de capital. Quando você sucateia serviços públicos, abre espaço para que a iniciativa privada ocupe esse espaço de precarização que está em curso. É a destruição do que é público em prol do privado”, argumenta.

    O deputado Ivan Valente (PSOL-SP) compara as propostas às medidas econômicas tomadas pelo presidente do Chile, Sebastián Piñeira, que geraram uma onda de protesto popular no país.

    “Eles dobraram a aposta no modelo chileno. Paulo Guedes é um Chicago Boy Chileno. É arrocho salarial, são privatizações, é o mercado mandando a destruição e o desmonte do Estado brasileiro. Eles sabiam que não conseguem manter o teto de gastos e nem a regra de ouro. Então, resolveram espremer o servidor público e o gasto público com educação e saúde, com todas as questões sociais”, diz.

    Ataques a trabalhadores

    Para contingenciar os gastos públicos, o Plano Mais Brasil também prevê a redução de salários e jornada de servidores públicos em 25% e o congelamento do salário mínimo até 2021. O mecanismo para tal seria acionado quando o Congresso autorizar o desenquadramento da “regra de ouro”, no caso da União, ou quando a despesa corrente líquida de estados ou municípios ultrapassar 95% da receita corrente.

    Para o líder da oposição na Câmara, Alessandro Molon (PSB-RJ), a ação do governo de mexer nas contas dos mais pobres parte da falta coragem de rever benefícios dos “super-ricos”.

    “O governo quer congelar o salário dos trabalhadores que menos ganham no país, o salário mínimo, mas não tem coragem de mandar a essa Casa uma proposta sequer que mexa com os privilégios dos super-ricos, que, no Brasil, são os que menos pagam impostos”, argumenta.

    Gilberto Bercovici, professor de Direito Econômico e Economia Política da Universidade de São Paulo (USP), diz que as medidas só atacam servidores na tentativa de deslegitimá-los, preservando direitos de “poderosos”.

    “Ele [Bolsonaro] está querendo destruir os servidores, a capacidade produtiva, com um caos econômico. Está fazendo como aquelas empresas que você destrói para garantir dividendo. Ele está destruindo o Estado para garantir o pagamento da dívida”, opina o professor.

    Para ele, o pacote ataca direitos de trabalhadores para dar mais a servidores com poder. “Ele [Bolsonaro] só ataca quem ganha pouco, a massa. Eles não vão para cima de quem tem poder. A gente vai virar uma colônia de escravos de juízes, procuradores e militares de alta patente”, critica.

    Saúde X educação

    A PEC do Pacto Federativo, a principal das três, prevê, entre outras medidas, a unificação dos gastos mínimos obrigatórios para saúde e educação. Na prática, as duas áreas concorreriam pelo mesmo fundo, com a possibilidade de retirada de uma para compensação da outra.

    Alessandro Molon diz que a proposta é inaceitável. “Ao propor juntar os mínimos constitucionais, o governo quer colocar a saúde contra a educação, e educação contra a saúde. O governo, com esse pacote, está dizendo para o povo brasileiro: ‘Vocês escolhem: ou vocês têm saúde ou vocês têm educação’. Não queremos que o povo brasileiro seja obrigado a escolher se vai ter seus filhos educados ou se vai poder ter acesso a remédios e a hospital público”.

    Para o pesquisador David Daccache, a unificação dos gastos mínimos é uma tentativa de sucateamento da saúde e educação para favorecer entidades privadas da área.

    “A consequência dessa medida é o aumento da desigualdade na oferta de serviços públicos. Saúde e educação serão precarizados à população mais pobre para atender a interesses de instituições privadas, como hospitais e universidades particulares”, destaca.

    Extinção de municípios

    Também na PEC do Pacto Federativo está prevista a extinção de municípios com menos de 5 mil habitantes – ao todo, são 1254 no país, conforme a oposição- -, com consequência incorporação a municípios próximos.

    O professor Gilberto Bercovici diz acreditar que a proposta para extinção de municípios com menos de 5 mil habitantes é apenas uma tentativa do governo Bolsonaro de tirar a atenção dos congressistas para os pontos mais importantes do pacote.

    “Jogaram um bode na sala. Todos sabem que isso [a extinção dos municípios] jamais vai passar no Congresso, até porque os deputados precisam muito dos votos dessas pessoas. A ideia é jogar algo que gera conversa, mais radical, para tirar a atenção dos pontos que realmente devem ser discutidos”, explica.

    O deputado Paulo Pimenta (PT-RS) afirma que a proposta é um “estelionato eleitoral”. “O governo tem a obrigação de informar seus objetivos antes da eleição. O Bolsonaro jamais tratou desses temas com a população. Pela proposta, o nosso estado, o Rio Grande do Sul, terá metade das cidades extintas. Isso jamais foi debatido, jamais foi aventado. Portanto, é um estelionato”, sugeriu.

    Reforma tributária

    A oposição sugere, como solução econômica e alternativa à série de medidas propostas, a votação de uma reforma tributária progressiva.

    A deputada Jandira Feghali (PCdoB) diz que a única forma de recuperar a economia do país é taxas grandes fortunas e dar possibilidade de trabalho aos pobres.

    “O que temos que discutir é a reforma tributária. Nós temos proposta, queremos debater a reforma tributária como instrumento de superação da desigualdade do Brasil. Essa é a marca do país, além do racismo estrutural. Nós queremos que a pauta seja a reforma tributária e a geração de emprego e renda”, sugere a deputada.

    Alessandro Molon também faz coro à prioridade para a reforma tributária. “Nós vamos lutar para que seja votada a reforma tributária, em especial a proposta unificada nossa, da oposição. O que o governo está propondo no Senado é agravar a desigualdade. Precisamos reverter isso”.

    Leia também:

    IBGE: 1 milhão desceu linha da pobreza em média por ano no país desde 2015

    Neoliberalismo está afundando o Brasil; até quando?

    Metade dos brasileiros vive com R$ 413 mensais; desigualdade atinge nível recorde

    Ricos no Brasil pagam 32% a menos de impostos do que nos países do G7

    Cresce a desigualdade de renda no Brasil, aponta pesquisa

    Aumenta a desigualdade de renda do trabalhador no Brasil

    Com mercado de trabalho frágil, número de autônomos, subutilizados e desalentados é recorde 

    Desemprego no Brasil chega a 12,5% e atinge 13,2 milhões de trabalhadores, diz IBGE

    Avanço neoliberal faz fome atingir 42,5 milhões de pessoas na América Latina e Caribe

    Rua Hermilio Alves, 335
    Santa Tereza - Belo Horizonte - MG
    CEP 31.010-070
    (31) 3057-8200