Bolsas de Estudo - 2021
Bolsas de Estudo - 2021
COMUNICADO URGENTE AOS TRABALHADORES DA FUMEC
COMUNICADO URGENTE AOS TRABALHADORES DA FUMEC
ATENDIMENTO NUTRICIONAL ON-LINE NO SAAEMG
ATENDIMENTO NUTRICIONAL ON-LINE NO SAAEMG
COMUNICADO 11/06/2020 – RESULTADO ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA VIRTUAL - APROVAÇÃO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2020/2021
COMUNICADO 11/06/2020 – RESULTADO ASSEMBLEIA GERAL
PROPOSTA DE CCT 2020/2021 A SER VOTADA NA AGE VIRTUAL
PROPOSTA DE CCT 2020/2021 A SER VOTADA NA AGE VIRT
EDITAL DE CONVOCAÇÃO - ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA VIRTUAL
EDITAL DE CONVOCAÇÃO - ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDIN
NEGOCIAÇÕES CONVENÇÃO COLETIVA DE TRAB. 2020/2022
NEGOCIAÇÕES CONVENÇÃO COLETIVA DE TRAB. 2020/2022
COMUNICADO AOS AUXILIARES DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR
COMUNICADO AOS AUXILIARES DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR
COMUNICADO FUNCIONAMENTO SAAEMG
COMUNICADO FUNCIONAMENTO SAAEMG
Conheça as decisões da liminar
Conheça as decisões da liminar
Convênio médico com atendimento gratuito
Convênio médico com atendimento gratuito
Associados do SAAEMG e seus dependentes contam com atendimento médico gratuito na rede de clínicas Dr.Agora
Bolsas de Estudos - 2020
Bolsas de Estudos - 2020
Pedidos deverão ser feitos no sindicato a partir de abril
Plano de saúde Unimed para a categoria
Plano de saúde Unimed para a categoria
Fale com um consultor agora
Homologação das Rescisões Contratuais
Homologação das Rescisões Contratuais
O SAAEMG orienta as empresas, contabilidades e trabalhadores que as rescisões contratuais devem ser homologadas no sindicato.
Aos funcionários das escolas de idiomas
Aos funcionários das escolas de idiomas
Leia abaixo o documento
Atenção Auxiliares de Administração Escolar
Atenção Auxiliares de Administração Escolar
O SAAEMG orienta os trabalhadores nos seguintes pontos:

    Notícias

    25/11/2015
    Começa a campanha dos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra a Mulher

    Começa nesta quarta-feira (25) a campanha 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra a Mulher, da Organização das Nações Unidas. Anualmente, desde 1991, mulheres de mais de 160 países chamam a atenção com manifestações para “conquistarem uma vida sem medo em casa, na rua e no trabalho”, afirma Ivânia Pereira, secretária da Mulher Trabalhadora da CTB.

    Neste ano será enfatizado no Brasil o Dia Mundial de Luta contra a Aids, que é em 1º de dezembro. Porque segundo o Ministério da Saúde, o número de jovens entre 15 e 24 anos afetados pelo vírus HIV aumento 40% de 2006 para cá.

    O Fórum Nacional de Mulheres Trabalhadoras das Centrais Sindicais programou panfletagens para esse dia em todo o país. Em São Paulo, o ato ocorrerá na Praça do Patriarca, no centro da cidade, para exigir melhor tratamento às mulheres e aos jovens, diz Gicélia Bitencourt, secretária da Mulher Trabalhadora da CTB-SP.

    Além disso, o ativismo passa pelo Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência contra as Mulheres, em 6 de dezembro e se encerra no Dia Internacional dos Direitos Humanos, 10 de dezembro.

    De acordo com a Secretaria de Políticas para as Mulheres, somente no primeiro semestre deste ano o Ligue 180 recdbeu 32.248 denúncias de violência contra as mulheres, o que dá 179 casos relatados por dia. Ainda de acordo com a secretaria, de 1980 a 201 foram assassindas 92 mil mulheres no país.

    Deputados brasileiros na contramão

    Para Ivânia, o debate rasteiro promovido pelos fundamentalistas religiosos e seus aliados na Câmara dos Deputados “de uma certa forma contribuem para o aumento de violência contra a mulher, com requintes de crueldade ainda mais perversos”.

    Ela cita o Projeto de Lei 5069, de autoria do ainda presidente da Câmara, Eduardo Cunha, que dificulta a realização do aborto até para as mulheres estupradas. “Ele quer obrigar a mulher a provar que foi estuprada, penalizando-a ainda mais”, alega.

    Já Gicélia ataca o papel da mídia nesse processo. “A mídia tradicional apresenta a afigura da mulher invariavelmente como objeto de prazer para os homens, desprovidas de vontade, de desejos e pior ainda de inteligência”. Para ela isso faz aumentar a violência contra as mulheres ainda mais.

    Ivânia reconhece que o país avançou muito nos últimos anos em políticas públicas de atenção à mulher com o Ligue 180 para denúncias, o programa Mulher, Viver sem Violência, a Casa da Mulher Brasileira, a Lei Maria da Penha e a Lei do Feminicídio, que aumenta a penalização para crimes contra a mulher por ser mulher.

    Mídia favorece mais violência

    Para ela, na questão da comunicação se torna necessário a “democratização dos meios de comunicação para vermos a expressão de toda a diversidade brasileira nos conteúdos midiáticos”.

    Por isso, a campanha “promovida pelos movimentos sociais é fundamental para que a mulher seja valorizada e respeitada”, defende Gicélia. “Em todo ao país faremos panfletagens e atos políticos que chamem atenção para as causas da igualdade de gênero”.

    “A violência contra a mulher está no ambiente doméstico, no transporte público, na rua e no trabalho”, reforça Ivânia. “E o papel do movimento social e sindical é denunciar e exigir políticas e campanhas que possam pôr definitivamente um fim em tudo isso”.

    Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB

    Rua Hermilio Alves, 335
    Santa Tereza - Belo Horizonte - MG
    CEP 31.010-070
    (31) 3057-8200