Não fique sozinho. Sindicalize-se!
Não fique sozinho. Sindicalize-se!
Um sindicato só pode ser forte o bastante para enfrentar os patrões se a categoria estiver unida
Fique atento (a)
Fique atento (a)
Assessora Jurídica do SAAEMG, Flávia Cenachi, esclarece vários pontos da “Reforma” Trabalhista para os trabalhadores e patrões
SAAEMG presente!
SAAEMG presente!
Sindicato marca presença no Dia Nacional de Mobilização e Luta contra as "reformas" da previdência e trabalhista do governo Temer
Campanha salarial 2018/2019 começa em novembro
Campanha salarial 2018/2019 começa em novembro
A pauta de reivindicações deste ano contempla somente cláusulas econômicas. Participe!
Pauta é aprovada em Betim e Divinópolis
Pauta é aprovada em Betim e Divinópolis
Os trabalhadores aprovaram o reajuste com base no INPC, o ganho real, além do piso salarial e piso por função
Sua Saúde
Sua Saúde
Atenção, categoria. O Centro Mineiro de Radiologia está com um combo promocional referente ao Outubro Rosa e o Novembro Azul

    Notícias

    28/07/2017
    Com a "reforma" trabalhista, você vai perder direitos. Sindicalize-se

    Um sindicato só pode ser forte o bastante se a categoria participar da entidade. Essa participação se dá de várias formas, mas a principal delas é sindicalizando-se.

    Ao sindicalizar-se, o trabalhador fortalece a luta do sindicato para conquistar novos benefícios e ainda contribui para a entidade manter vários serviços.

    O SAAEMG, por exemplo, além de negociar todos os anos a convenção coletiva de trabalho com o sindicato patronal, oferece bolsas de estudos para os trabalhadores e seus dependentes, atendimento médico, odontológico e assistência jurídica em diversas áreas.

    Todos esses serviços são mantidos pelos auxiliares de administração escolar por meio da contribuição sindical e mensalidade sindical.

    Porém, diante da recente aprovação da Reforma Trabalhista do governo de Michel Temer, essas e outras conquistas da categoria estão ameaçadas.  

    O texto da “reforma” enfraquece os sindicatos e consequentemente todos os trabalhadores. Saiba como:

    A partir de agora, a rescisão contratual pode ser feita na escola, sem a assessoria do Sindicato e o empregado que assinar a rescisão contratual fica impedido de questioná-la posteriormente na Justiça do Trabalho, mesmo que tenha recebido verbas inferiores ao devido.

    Outro ponto aprovado diz respeito ao trabalho das mulheres gestantes e lactantes. A partir de agora, elas poderão trabalhar em local de baixa ou média insalubridade, com autorização médica que pode ser da própria empresa.

    A jornada de trabalho também foi alterada. A partir de agora, o trabalhador poderá trabalhar até 12 horas com 36 de descanso. Já o tempo de descanso diminuiu.

    O trabalhador que exerce a jornada de oito horas diárias tem direito a no mínimo uma hora e, no máximo, duas horas de intervalo para repouso ou alimentação. Com a reforma, os patrões podem diminuir o intervalo para até 30 minutos.

    O pacote de maldades dentro dessa “reforma” não tem fim. As negociações coletivas, por exemplo, também foram alteradas. A partir de agora, condições de trabalho diferentes das previstas em lei poderão ser negociadas num patamar pior para os trabalhadores.  

    As demissões em massa, que antes só podiam ser feitas com a autorização dos sindicatos, agora poderão ser feitas diretamente pelas empresas.

    Outro item também alterado foi o da obrigatoriedade da contribuição sindical. Antes obrigatória, agora ela passa a ser opcional.  

    Como se vê, não se trata de uma “reforma” trabalhista. É um verdadeiro desmonte da CLT que tem como objetivo enfraquecer a luta dos sindicatos e trabalhadores.

    Em um momento de confronto dos sindicatos com os empresários, os sindicatos precisam ser fortes para terem condições de lutar em todos seguimentos para proteger e negociar bons salários e boas condições de trabalho para a categoria.

    É muito importante que os trabalhadores que não são sindicalizados até hoje, indiferente dos motivos, procurem seus sindicatos, vejam os benefícios de serem sindicalizados e a importância de ter um sindicato forte.

    Se o trabalhador não pode contar mais com o Governo Federal para proteger seus direitos, somente os sindicatos fortes conseguirão negociar reajustes salariais e benefícios para a categoria.

    Apesar da Reforma Trabalhista permitir que as rescisões contratuais sejam feitas nas escolas, a Diretoria do SAAEMG orienta a todos os trabalhadores sindicalizados ou não a exigir que suas homologações sejam feitas no SAAEMG, pois, o SAAEMG conta com profissionais em homologações que fazem os cálculos corretos de todos os seus direitos trabalhistas e , se até à aprovação da Reforma Trabalhista as escolas sempre fizeram as homologações no SAAEMG, por qual motivo a escola vai querer mudar e fazer a homologação na contabilidade ou em seu Departamento de Recursos Humanos? 


    FIQUE ATENTO E DESCONFIE DESSA MUDANÇA DE ATITUDE, EXIJA QUE SUA HOMOLOGAÇÃO SEJA REALIZADA NO SINDICATO QUE TE REPRESENTA.

    Por isso, a união dos auxiliares de administração escolar é fundamental.

    Sindicalize-se! Fortaleça a luta do SAAEMG pelos seus direitos.

    Juntos, somos mais fortes.

    Leia também:

    Bolsas de Estudos

    Saúde do Trabalhador

    Departamento Jurídico

    Convênios

    Fundo de Amparo

     

    Rua Hermilio Alves, 335
    Santa Tereza - Belo Horizonte - MG
    CEP 31.010-070
    (31) 3057-8200