Convênio médico com atendimento gratuito
Convênio médico com atendimento gratuito
Associados do SAAEMG e seus dependentes contam com atendimento médico gratuito na rede de clínicas Dr.Agora
Bolsas de Estudos - 2020
Bolsas de Estudos - 2020
Pedidos deverão ser feitos no sindicato a partir de abril
Sobre galinhas e raposas
Sobre galinhas e raposas
Sindicalize-se! Juntos, somos mais fortes
A importância de ser sindicalizado
A importância de ser sindicalizado
Além dos direitos previstos na Convenção Coletiva, vale lembrar também os diversos benefícios oferecidos pelo SAAEMG
Homologação das Rescisões Contratuais
Homologação das Rescisões Contratuais
O SAAEMG orienta as empresas, contabilidades e trabalhadores que as rescisões contratuais devem ser homologadas no sindicato.
Contribuição assistencial e mensalidade sindical
Contribuição assistencial e mensalidade sindical
Atenção, estabelecimentos particulares de ensino para o informe do sindicato
Aos funcionários das escolas de idiomas
Aos funcionários das escolas de idiomas
Leia abaixo o documento
Atenção Auxiliares de Administração Escolar
Atenção Auxiliares de Administração Escolar
O SAAEMG orienta os trabalhadores nos seguintes pontos:

    Notícias

    23/11/2015
    Igualdade racial: “Trabalhar a diferença para construir a igualdade”, diz Mônica Custódio
    por Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB

    No Dia Nacional da Consciência Negra (20/11), as negras e os negros brasileiros manifestaram-se do Oiapoque ao Chuí contra o racismo. “O ponto alto das manifestações deste ano foi a Marcha das Mulheres Negras em Brasília”, diz Mônica Custódio, secretária de Políticas de Igualdade Racial da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).

    A Marcha ocorreu na quarta-feira (18). “Como estamos para iniciar mais uma campanha dos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra a Mulher (começa na quarta, 25 e termina no dia 10 de dezembro), é bom enfatizarmos que as mulheres negras saem às ruas para conquistar visibilidade e mostrar que merecem respeito e uma vida digna”, afirma Mônica.

    Para ela, “foi uma grande vitória a realização dessa primeira marcha nacional, onde as mulheres negras reivindicam autonomia econômica e mais visibilidade na política para conquistar seus direitos de uma vida sem violência e sem discriminação”.

    Diz ela, no entanto, que esse é “apenas o começo”. Ela enumera uma série de reivindicações do movimento negro, reforçando a pauta das mulheres negras que “são as que têm os piores salários, residem mais longe do local de trabalho e são as mais maltratadas pelo mercado de trabalho”.

    A questão da posse da terra aos remanescentes quilombolas faz parte da pauta do movimento negro. “Os quilombolas precisam do título de suas terras para legalizarem sua situação e poderem produzir e viver com tranquilidade”, defende Mônica.

    A sindicalista carioca cita a Carta da Marcha 2015, que apresenta as reivindicações das mulheres negras e foi entregue à presidenta Dilma Rousseff durante a marcha em Brasília.

    “A sabedoria milenar que herdamos de nossas ancestrais se traduz na concepção do Bem Viver, que funda e constituí as novas concepções de gestão do coletivo e do individual; da natureza, política e da cultura, que estabelecem sentido e valor à nossa existência, calcados na utópica de viver e construir o mundo de todas(os) e para todas(os)”, diz trecho da Carta (leia a íntegra aqui).

    “Lutar por igualdade salarial e pelo fim da discriminação no mercado de trabalho constitui-se numa das bandeiras essências das negras brasileiras”, argumenta Mônica. Outro ponto forte do movimento negro atual é a campanha contra a intolerância religiosa.

    Ela ressalta também que as mulheres negras são as que mais sofrem com o “verdadeiro genocídio contra os jovens negros, moradores das periferias deste país”. Por isso, diz, “defender a cultura da paz contra a cultura do estupro e da violência contra as mulheres devem pautar nossas lutas rumo a uma nova sociedade, baseada no respeito à dignidade humana”.

    Mônica defende mais mulheres nas instâncias de poder, principalmente as negras, que são as mais prejudicadas em todo o processo “para construirmos um país mais justo e igual, precisamos avançar nas cotas em universidades e no serviço público”.

    Ela argumenta ainda ser necessário que o movimento negro e feminista se organizem ainda melhor para a construção de políticas públicas que possibilitem reparar a “dívida histórica que o país tem para com as negras e negros”. Para ela, “é fundamental trabalhar a diferença para construir a igualdade”, diz.

    Rua Hermilio Alves, 335
    Santa Tereza - Belo Horizonte - MG
    CEP 31.010-070
    (31) 3057-8200