Bolsas de Estudo - 2021
Bolsas de Estudo - 2021
COMUNICADO URGENTE AOS TRABALHADORES DA FUMEC
COMUNICADO URGENTE AOS TRABALHADORES DA FUMEC
ATENDIMENTO NUTRICIONAL ON-LINE NO SAAEMG
ATENDIMENTO NUTRICIONAL ON-LINE NO SAAEMG
COMUNICADO 11/06/2020 – RESULTADO ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA VIRTUAL - APROVAÇÃO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2020/2021
COMUNICADO 11/06/2020 – RESULTADO ASSEMBLEIA GERAL
PROPOSTA DE CCT 2020/2021 A SER VOTADA NA AGE VIRTUAL
PROPOSTA DE CCT 2020/2021 A SER VOTADA NA AGE VIRT
EDITAL DE CONVOCAÇÃO - ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA VIRTUAL
EDITAL DE CONVOCAÇÃO - ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDIN
NEGOCIAÇÕES CONVENÇÃO COLETIVA DE TRAB. 2020/2022
NEGOCIAÇÕES CONVENÇÃO COLETIVA DE TRAB. 2020/2022
COMUNICADO AOS AUXILIARES DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR
COMUNICADO AOS AUXILIARES DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR
COMUNICADO FUNCIONAMENTO SAAEMG
COMUNICADO FUNCIONAMENTO SAAEMG
Conheça as decisões da liminar
Conheça as decisões da liminar
Convênio médico com atendimento gratuito
Convênio médico com atendimento gratuito
Associados do SAAEMG e seus dependentes contam com atendimento médico gratuito na rede de clínicas Dr.Agora
Bolsas de Estudos - 2020
Bolsas de Estudos - 2020
Pedidos deverão ser feitos no sindicato a partir de abril
Plano de saúde Unimed para a categoria
Plano de saúde Unimed para a categoria
Fale com um consultor agora
Homologação das Rescisões Contratuais
Homologação das Rescisões Contratuais
O SAAEMG orienta as empresas, contabilidades e trabalhadores que as rescisões contratuais devem ser homologadas no sindicato.
Aos funcionários das escolas de idiomas
Aos funcionários das escolas de idiomas
Leia abaixo o documento
Atenção Auxiliares de Administração Escolar
Atenção Auxiliares de Administração Escolar
O SAAEMG orienta os trabalhadores nos seguintes pontos:

    Notícias

    23/11/2015
    Igualdade racial: “Trabalhar a diferença para construir a igualdade”, diz Mônica Custódio
    por Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB

    No Dia Nacional da Consciência Negra (20/11), as negras e os negros brasileiros manifestaram-se do Oiapoque ao Chuí contra o racismo. “O ponto alto das manifestações deste ano foi a Marcha das Mulheres Negras em Brasília”, diz Mônica Custódio, secretária de Políticas de Igualdade Racial da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).

    A Marcha ocorreu na quarta-feira (18). “Como estamos para iniciar mais uma campanha dos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra a Mulher (começa na quarta, 25 e termina no dia 10 de dezembro), é bom enfatizarmos que as mulheres negras saem às ruas para conquistar visibilidade e mostrar que merecem respeito e uma vida digna”, afirma Mônica.

    Para ela, “foi uma grande vitória a realização dessa primeira marcha nacional, onde as mulheres negras reivindicam autonomia econômica e mais visibilidade na política para conquistar seus direitos de uma vida sem violência e sem discriminação”.

    Diz ela, no entanto, que esse é “apenas o começo”. Ela enumera uma série de reivindicações do movimento negro, reforçando a pauta das mulheres negras que “são as que têm os piores salários, residem mais longe do local de trabalho e são as mais maltratadas pelo mercado de trabalho”.

    A questão da posse da terra aos remanescentes quilombolas faz parte da pauta do movimento negro. “Os quilombolas precisam do título de suas terras para legalizarem sua situação e poderem produzir e viver com tranquilidade”, defende Mônica.

    A sindicalista carioca cita a Carta da Marcha 2015, que apresenta as reivindicações das mulheres negras e foi entregue à presidenta Dilma Rousseff durante a marcha em Brasília.

    “A sabedoria milenar que herdamos de nossas ancestrais se traduz na concepção do Bem Viver, que funda e constituí as novas concepções de gestão do coletivo e do individual; da natureza, política e da cultura, que estabelecem sentido e valor à nossa existência, calcados na utópica de viver e construir o mundo de todas(os) e para todas(os)”, diz trecho da Carta (leia a íntegra aqui).

    “Lutar por igualdade salarial e pelo fim da discriminação no mercado de trabalho constitui-se numa das bandeiras essências das negras brasileiras”, argumenta Mônica. Outro ponto forte do movimento negro atual é a campanha contra a intolerância religiosa.

    Ela ressalta também que as mulheres negras são as que mais sofrem com o “verdadeiro genocídio contra os jovens negros, moradores das periferias deste país”. Por isso, diz, “defender a cultura da paz contra a cultura do estupro e da violência contra as mulheres devem pautar nossas lutas rumo a uma nova sociedade, baseada no respeito à dignidade humana”.

    Mônica defende mais mulheres nas instâncias de poder, principalmente as negras, que são as mais prejudicadas em todo o processo “para construirmos um país mais justo e igual, precisamos avançar nas cotas em universidades e no serviço público”.

    Ela argumenta ainda ser necessário que o movimento negro e feminista se organizem ainda melhor para a construção de políticas públicas que possibilitem reparar a “dívida histórica que o país tem para com as negras e negros”. Para ela, “é fundamental trabalhar a diferença para construir a igualdade”, diz.

    Rua Hermilio Alves, 335
    Santa Tereza - Belo Horizonte - MG
    CEP 31.010-070
    (31) 3057-8200