Atenção Auxiliares de Administração Escolar
Atenção Auxiliares de Administração Escolar
o SAAEMG orienta os trabalhadores nos seguintes pontos:
Direito Previdenciário
Direito Previdenciário
A partir de agora, a categoria conta com atendimento em várias áreas como aposentadoria urbana e rural, pensão por morte e benefícios assistenciais
Bolsa de Estudo para o 2º semestre
Bolsa de Estudo para o 2º semestre
Descontos variam de 20% a 100%. Saiba qual a documentação necessária
SAAEMG oferece vacinação contra a gripe em BH
SAAEMG oferece vacinação contra a gripe em BH
A vacina é de graça para os sindicalizados ativos nos dias 23, 24 e 25 deste mês. Aproveite!
Atendimento médico gratuito no sindicato
Atendimento médico gratuito no sindicato
A categoria tem atendimento em várias especialidades médicas como clínica médica, cardiologia, pediatria, nutrição e fonoaudiologia
A importância de ser sindicalizado
A importância de ser sindicalizado
13º salário, férias...Essas e outras conquistas são frutos da organização dos trabalhadores e os seus sindicatos
Homologação das Rescisões Contratuais
Homologação das Rescisões Contratuais
O SAAEMG orienta as empresas, contabilidades e trabalhadores que as rescisões contratuais devem ser homologadas no sindicato.
Contribuição assistencial e mensalidade sindical
Contribuição assistencial e mensalidade sindical
Atenção, estabelecimentos particulares de ensino para o informe do sindicato
Aos funcionários das escolas de idiomas
Aos funcionários das escolas de idiomas
Leia abaixo o documento

    Notícias

    09/08/2017
    Reforma da Previdência dificulta aposentadoria e rebaixa benefícios

    A sociedade brasileira, em especial os trabalhadores que sustentam a riqueza dos mais ricos do Brasil, nem bem se recuperou do golpe da “reforma” trabalhista do (des)governo de Michel Temer, agora passa a se preocupar com mais um golpe: a “reforma” da previdência. Os deputados federais já anunciaram que irão votar a proposta até o fim deste ano.

    Abaixo, o artigo da economista Ana Luíza Matos sobre o tema. Ana é economista (UFMG), mestra e doutoranda em Desenvolvimento Econômico (Unicamp).

    Trata-se de mais um ataque contra a sociedade, uma vez que a maioria não concorda com tal medida. Os motivos são vários. Impedir a aposentadoria dos trabalhadores para equilibrar as contas da previdência não é o caminho mais justo. O déficit não é culpa da massa

    Segundo estudo do Dieese, a versão atual da Reforma da Previdência continua a endurecer as regras para acesso e rebaixar o valor médio dos benefícios, por exemplo, ao combinar o limite de idade ao tempo mínimo e extinguir a aposentadoria por tempo de contribuição, ao limitar o acúmulo de pensão e aposentadoria a dois salários mínimos e elevar a idade de concessão do Benefício de Prestação Continuada (BPC).

    Segundo o substitutivo, a idade mínima para aposentar para as mulheres subiria de 60 para 62 anos e para os homens seria mantida em 65 anos, elevando os anos de contribuição necessários de 15 para 25 anos.

    Aqui, colocam-se dois problemas: o primeiro é que a redução da diferença de idade para homens e mulheres sobrecarrega ainda mais as mulheres, que socialmente arcam com o peso de realizar as tarefas domésticas além do trabalho remunerado fora do domicílio (a chamada dupla jornada): reduzir a diferença de idade sem redividir o trabalho doméstico sobrecarrega ainda mais as mulheres.

    Outro problema é o aumento dos anos de contribuição para a aposentadoria: informalidade e alta rotatividade são características do mercado de trabalho brasileiro. Assim, os trabalhadores alternam períodos em que estão empregados, desempregados, no setor formal e informal, e troca-se muito facilmente de emprego. Acumular 25 anos de contribuição significa muito mais que 25 anos de vida do trabalhador, pela descontinuidade nos períodos com vínculos no setor formal.

    Outra proposta da reforma é de que ao atingir os 25 anos de contribuição o trabalhador possa se aposentar recebendo 70% da média dos salários (assegurado também o piso de um salário mínimo e limitado ao teto de benefícios), caso tenha já a idade mínima. Para alcançar 100% da média dos salários, o trabalhador deve contribuir por quarenta anos no total.

    Os trabalhadores rurais também perdem a aposentadoria adiantada em cinco anos com a reforma (igualando-se à regra dos trabalhadores urbanos, de 62/65), mas os agricultores familiares teriam a regra de idade mínima em 57 anos para as mulheres e sessenta para os homens, mais quinze anos de contribuição.

    Já a aposentadoria por invalidez pagaria 100% da média dos salários somente em caso de acidentes ou doenças relacionadas ao trabalho. No caso de a invalidez ser causada por outras doenças, o benefício seria limitado a 70% da média dos salários, segundo a fórmula geral de cálculo.

     

    Rua Hermilio Alves, 335
    Santa Tereza - Belo Horizonte - MG
    CEP 31.010-070
    (31) 3057-8200